24 SET 2020 | ATUALIZADO 19:20
SAÚDE
04/08/2020 18:24
Atualizado
04/08/2020 19:27

Dívida somada do Município e do Estado com a LMECC chega a R$ 17 milhões

A+   A-  
O vereador Ozaniel Mesquita denuncia que o Estado deve 9,5 milhões e a Prefeitura R$ 7,4 milhões; o vereador diz que a sua meta é alertar o Estado e a Prefeitura para encontrar uma saída para repassar os recursos da Liga Mossoroense de Combate ao Câncer
Imagem 1 -  O vereador Ozaniel Mesquita denuncia que o Estado deve 9,5 milhões e a Prefeitura R$ 7,4 milhões; o vereador diz que a sua meta é alertar o Estado e a Prefeitura para encontrar uma saída para repassar os recursos da Liga Mossoroense de Combate ao Câncer
O vereador Ozaniel Mesquita denuncia que o Estado deve 9,5 milhões e a Prefeitura R$ 7,4 milhões; o vereador diz que a sua meta é alertar o Estado e a Prefeitura para encontrar uma saída para repassar os recursos da Liga Mossoroense de Combate ao Câncer
FOTO: REPRODUÇÃO

O importante trabalho desenvolvido pela Liga Mossoroense de Estudos e Combate ao Câncer (LMECC) tem enfrentado dificuldades devido à falta de recursos.

A situação pode ser resolvida, se a Prefeitura de Mossoró e o Governo do Rio Grande do Norte quitarem suas dívidas com a Liga. O Estado deve R$ 9,5 milhões e a Prefeitura R$ 7,4 milhões.

O alerta, em forma de denúncia, no sentido de encontrar uma solução, é do vereador Ozaniel Mesquita (DEM).

De acordo com o vereador, a dívida, em valores somados do Município e do Estado, chega aos R$ 17 milhões. Ozaniel Mesquita lembra que a Liga atende uma média diária de 300 pacientes com consultas, pequenas e grandes cirurgias, quimioterapia e radioterapia.

Antes, para ter acesso a esses serviços, os pacientes precisavam se deslocar até a cidade de Fortaleza, no estado do Ceará. Entre as regiões Oeste e Alto Oeste do Rio Grande do Norte, as duas unidades da Liga (Hospital de Radiologia no Abolição III e a antiga Casa de Saúde Santa Luzia, onde hoje funciona a LMECC), atendem 67 municípios.

Segundo vereador, as dívidas da Prefeitura e Governo Estadual são referentes aos anos de 2018, 2019 e 2020.

“Em reunião, ficou acertado que os valores de 2018 ficariam sem repasse no momento, porém os demais anos seriam repassados. Faço isso não para atrapalhar qualquer trabalho, pelo contrário, faço-o no sentido de unir forças para cobrar o pagamento o mais breve possível”, lembrou Ozaniel.

O débito da prefeitura é de R$ 1.561.000,00 (Um milhão, quinhentos e sessenta e um mil) e do estado é de R$ 2.341.000,00 (Dois milhões, trezentos e quarenta e um mil). Somados a outras despesas contidas, a dívida geral é de R$ 17 milhões.


Notas

AME

Outras Notícias

Deixe seu comentário